Loi Krathong: hora de mandar o azar embora na Tailândia

A Tailândia viveu esta semana um de seus principais festivais religiosos e culturais, o Loi Krathong – que em uma tradução literal, significaria “flutuar a cesta”, ou algo como lançar um barquinho/cesta às águas (sim, bem parecido com a Festa de Iemanjá, no Brasil!) E o blog esteve no Parque Santi Chaiprakan às margens do Rio Chao Phraya, em Bangkok, para conferir o ato.

O evento, que este ano foi comemorado ainda sob o efeito da recente morte do rei da Tailândia (o que cortou dos festejos, por exemplo, os tradicionais fogos de artifício e os concursos de beleza), é um momento em que o povo tailandês agradece à deusa das águas, Phra Mae Khongka, pede perdão pela poluição causada aos rios, mares e lagos e, de quebra, aproveita para – junto com os barquinhos/cestas – lançar às águas toda a “dose de azar” amealhada durante o ano.

O Festival das Luzes, como também é chamado, não tem uma data certa para acontecer, sendo realizado em todo o país na primeira noite de lua cheia do 12º mês do calendário local: em 2016, caiu em 14 de novembro (coincidentemente na data da super lua, que fez pouco caso e não participou dos folguedos, ao menos em Bangkok). Ano que vem, o Loi Krathong será realizado no dia 4 de novembro (ou seja, dá tempo para se programar!)

Outro detalhe curioso é que os barcos/cestas são feitos tradicionalmente com folhas de bananeira, pão e isopor (que está sendo banido por não ser biodegradável), e dentro deles, assim como ocorre com a Festa de Iemanjá, além de flores, velas, moedas e incensos, é costume colocar pedidos e agradecimentos. No Krathong (que é o barquinho), porém, há quem coloque, ainda, pedaços de unha e fios de cabelo. Além de Bangkok, a festa também é muito concorrida em Chiang Mai, no Norte do país.

Pequenos barcos iluminados, e carregados de sonhos, pedidos de perdão e do 'azar jogado fora', brilham ao longo dos rios, mares e lagos da Tailândia
Pequenos barcos iluminados, e carregados de sonhos, pedidos de perdão e do ‘azar jogado fora’, brilham ao longo dos rios, mares e lagos da Tailândia

 

 

Apresentações artísticas também marcam o Loi Krathong; e são lindas!
Apresentações artísticas também marcam o Loi Krathong, e são lindas!
Salus Loch

Salus Loch

Salus Loch é jornalista, advogado, escritor e fotógrafo amador, mas, acima de tudo, é um apaixonado por contar histórias e conhecer o mundo. Cada canto dele, se possível. Neste blog ele vai narrar, através de reportagens e fotos, um pouco de suas andanças – que cortam, no momento, o Sudeste Asiático. Detalhe: assim como você, ele evita gastos desnecessários em viagens. Os mochileiros irão gostar!

Receba Nossa Newsletter

Cadastre-se e fique por dentro de todas as novidades e promoções da CI.

Your Header Sidebar area is currently empty. Hurry up and add some widgets.