O nascer de um mochileiro…


Como de costume, acordei primeiro do que os meus companheiros de quarto. Não podia nem me mexer direito para não acordar ninguém, mas não teve jeito! A minha mochila tava cada vez mais pesada! Não deu tempo nem para tomar o café da manha e fui direto para a estação de ônibus. Eu tinha o time table do único ônibus que ia para Skye no dia, partindo de Inverness as 9:15 da manhã. Cheguei na estação às 9 horas para comprar o ticket, foi quando a atendente perguntou que lugar de Skye eu gostaria de descer e dia/hora que pretendia voltar. Meu Deus, eu não sabia de nada e tive que decidir tudo na hora, olhei no guia e falei vou para Sligachan. Apontei para ela no mapa e perguntei como se pronunciava aquilo. Ela também não sabia! Tive a impressão de estar pedindo para ir para o meio do nada! hahaha

Mas ela falou que a vila tinha um hotelzinho. Fui com o coração na mão, mas estava feliz por estar saindo um pouco da segurança dos tours cheios de turistas. Uma vez que eu descesse em Sligachan, não poderia mais voltar facilmente para Inverness, só no outro dia! Também tinha a opção de continuar andando pela estrada ate a cidade principal, mas a mochila jamais me permitiria isso.

Já dentro do ônibus, tive lindas vistas da ilha, mas nada de novo para quem já viu as Highlands. Decidi ir para Sligachan, pois li no guia que de lá eu poderia fazer uma trilha de umas 3 horas de caminhada ate a cadeia de montanhas mais bonita da Grã-bretanha! Estava ansioso, mas um pouco nervoso.

Quando finalmente cheguei em Sligachan, percebi que tudo o que tinham me falado era verdade! A vila era minúscula, creio que só tinha o hotel mesmo e um parque para camping, não sei se podemos chamar de vila. rsrsrs

Pensei que iria pagar uma fortuna naquele hotel, mas a recepcionista me falou que eles tinham um hostel na colina e custava só 12 libras! Quase beijei as mãos dela quando ouvi essas palavras! Pelo menos teria lugar barato para dormir. E lá fui eu para o hostel na colina.

Foi surpreendente! O melhor hostel da viagem! No meio do mato do lado de um pequeno riozinho. Quando entrei, percebi um clima bem rural, parecido com aqueles que vemos nos filmes norte americanos, bem organizado, tudo de madeira e ainda por cima com uma lareira enorme! E ainda por cima com pouca gente!

Larguei as coisas no hostel e fui desbravar a trilha! tinha uma seta indicando o início do percurso! Não levei barraca, pois queria primeiro conhecer o lugar! E lá fui eu! Coloquei um ritmo meio rápido, pois queria fazer a trilha em menos de três horas. Passei por uns dois ou três casais no caminho, tamanha era a minha ansiedade de ver logo o que me esperava!

Em pouco tempo começaram a aparecer os primeiros desafios que me fizeram perceber que aquela não seria uma trilha fácil! Riachos de pedras escorregadias, e subidas íngremes eram só alguns dos desafios do percurso.

Precisei parar para o almoço, precisava recompor as energias, pois ainda faltava muita pernada! Parecia que eu já havia andado horas e aquelas mesmas montanhas continuavam lá, do mesmo jeito. A grandiosidade do lugar estava mostrando que eu precisaria usar toda a minha perseverança se quisesse dominar aquele pedacinho do mundo! O interessante é que cada vez mais eu queria chegar no final, minha perseverança aumentava, mas as minhas forças estavam se esvaindo!

Encontrei umas pessoas voltando e perguntei se ainda faltava muito. Disseram que uns 40 minutos. 2 horas depois lá estava eu andando e não tinha chegado ainda no tal final! Será que eles realmente chegaram no final?

Bem, chegou um ponto da trilha que haviam dois caminhos para serem escolhidos, decidi ir para a direita. Não sei porquê. Não havia nenhuma placa de orientação! Onde eu ia parar. Subi numa pedra e percebi que não tinha mais ninguém além de mim naquele vale! Continuei a trilha, mas não coloquei nenhuma música, pois queria deixar pilha suficiente para o final do percurso.

Finalmente, depois de umas 4 horas andando, cheguei na base da montanha e a trilha seguia ate o topo. Veio a pergunta na minha mente. onde será que o outro caminho levaria?

A subida não seria fácil, já que, além do meu tripé, eu estava carregando uma sacola na mão, com o almoço, o ursinho, um chapéu e uma surpresa. Lá fui eu! O desafio tava tão grande que quase desisti na metade da subida, mas já tinha chegado até aqui, não podia molejar! Dei uma parada rápida e continuei.

Quando cheguei no topo, fiquei sem palavras por alguns segundos. Depois quebrei o silencio num sonoro Urro de vitória!!!! HAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA

mais umas duas vezes, como se fosse um estádio lotado de gente gritando todos de uma vez! HAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA

HAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA

Depois disso caí na gargalhada! Consegui!!! Subi a primeira montanha sozinho e a vista era impressionante!
Mas do que depressa, coloquei uma musica no MP3, abri os braços e curti toda a força daquele momento. O céu estava limpinho, o sol brilhando como nunca! Uma brisa gostosa e aquela música para completar o espetáculo!!! Tá vai, confesso, derramei umas duas ou três lágrimas de alegria!! A adrenalina ainda estava correndo solta no meu corpo!! hahaha

Coloquei o meu Kilt, a surpresa na sacola, pois queria fazer umas fotos bem legais num clima escocês!!! haaha

Tava sozinho lá, nem deu muita vergonha. Fiz um filminho pra vocês, usando aquela saia e fiquei um bom tempo curtindo todo aquele momento. E quando olhei para trás, então? O tremendo vale que eu tinha atravessado durante aquelas 4 horas tão dramáticas? haha Dava pra ver o momento de divisao da trilha, foi quando fui ver onde ia dar. Atravessei a colina ate a outra parte e vi que o final do outro caminho ia dar numa lagoa espetacular. Foi uma das vistas mais impressionantes que eu já vi na minha vida! E olha que já viajei um pouco!

Desci a montanha sem trilha mesmo, pelo meio do mato. Ainda bem que o mato não chegava nos joelhos. Desci tão rápido, pois a sensação que senti era que aquele lugar já era meu! corri em direção à lagoa, tirei a roupa e cai na água! Esse era o meu batismo de mochileiro, ao sair daquela lagoa, nascia um novo mochileiro no mundo!

Fiquei admirando aquele lugar por um bom tempo enquanto me secava. Depois disso, ouvi quase todas as 60 músicas do meu MP3 enquanto andava na beira da lagoa. Lembrando de como tudo isso tinha começado. Aprendi na pratica a grande lição de nunca me deixar abalar pelas dificuldades do caminho. Todo sacrifício tem uma recompensa!

Aquele foi o melhor momento de toda a viagem. Talvez o final com chave de ouro, já que agora começaria a corrida de regresso ao lar! Durante o caminho de volta, pensei em todas as coisas que tinham acontecido nessa viagem e o quanto tudo isso foi bom! Parei em certos momentos rindo feito bobo e cantando a plenos pulmões naquele pôr-do-sol, o mais espetacular de toda a minha vida!

Chorei um pouco, pois agora senti que um ciclo se fechara na minha vida! Como disse para vocês, essa é a minha primeira viagem internacional sozinho. Agora sinto que essa força que nasceu dentro de mim vai comigo para o resto da minha vida! O meu mundo perdeu completamente as fronteiras!

Cheguei no hostel, por volta das 9 da noite. Estava escuro? não! o pôr-do-sol só aconteceria completamente as 10:30 pm. Inacreditável !

Estava com uma fome danada, tomei aquele banho e fui correndo ver se o restaurante do hotel ainda estava aberto. Cheguei lá e já estava fechado, mas o bar estava funcionando, daí eu comprei um hambúrguer com batatas fritas e levei para comer no hostel.

Jantei ao som de um CD de gaita de foles e com um barulhinho de água passando pelo riozinho do lado do hostel.

Fui para o quarto e conheci os ingleses que estavam dividindo comigo. Eles eram alpinistas experientes e disseram que já estavam na ilha a uma semana e esse era o primeiro dia de sol que eles pegaram, todos os outros dias choveu d+. Pensei comigo, Graças a Deus, esse dia foi um presente final de viagem!

Fui dormir exausto ao som do barulho da chuva que caía do lado de fora, os próximos dias seriam chuvosos também.

E foi assim que o mundo presenciou o nascer de um novo mochileiro…

Dados do retorno: Daqui de Inverness, volto para Londres e no dia 11 de julho (quarta-feira) as 15:45pm estarei desembarcando no terminal 2 do aeroporto internacional de Guarulhos no voo TP 185 da TAP, vindo de Lisboa- Portugal.

Se alguém quiser aparecer por lá, vai ser muito legal! Estarei usando o meu kilt e fazendo aquela bagunça por lá!!!

Abraços e aguardem o resultado do sorteio e da escolha do nome do mascote no próximo post!!!

Ainda não acabou…

Galeria de fotos:

Eber Guni do Nascimento Santos

Eber Guni do Nascimento Santos

São muitas aventuras do Mochileiro e Viajante Eber pelo mundo. Desbravando a América do Sul e a Europa com vivências inspiradoras registradas aqui.

Receba Nossa Newsletter

Cadastre-se e fique por dentro de todas as novidades e promoções da CI.

Your Header Sidebar area is currently empty. Hurry up and add some widgets.