O Top Of The Pops visitou a Semana de Moda de Paris com Juliana Tozzi

Juliana Tozzi, editora do canal de Lifestyle do Vírgula, viajou a Paris para cobrir a Semana de Moda da cidade, evento que abriu o calendário do Top Of The Pops deste ano, em fevereiro. Como de costume, conversamos com ela para saber tudo sobre o evento, o que ela viu por lá e que dicas trouxe pro Brasil.

Imagem 1
“Eu (com meu casaco de gorila) em alguma rua (que não lembro o nome) na região de Saint Germain”

Caia no Mundo: Como editora do Vírgula, o que você tinha em mente antes de embarcar  e qual foi a maior surpresa durante a cobertura internacional?

Juliana Tozzi: Foi a primeira vez que fui para a Semana de Moda de Paris (SMP). Participei muitas vezes das fashion weeks brasileiras, como o Fashion Rio, SPFW e Minas Trend Preview, mas nunca de uma fora do país. Foi uma experiência profissional e pessoal muito rica. Não tinha idealizado sobre como seria a SMP, mas fiquei admirada ao ver como o evento é organizado em termos de estrutura e como a cidade recebe os visitantes fashionistas. Sorrisos se abriam toda vez que dizia que era jornalista (e brasileira) e estava lá para cobrir a fashion week.

Imagem 2
“Rihanna na entrada do desfile da Chanel”

A parte da surpresa acho que fica mais nos “sopros” de glamour que você tem ao longo dos dias da SMP.  É esbarrar com a Rihanna, Jessica Alba ou alguma outra atriz na entrada de um desfile, é dar de cara com alguma editora de moda famosa em algum showroom de grife… Mas Paris é o glamour maior. A vida real continua lá, mas ganha um charme de filme com trilha sonora mental. Como amei aquela cidade! 🙂

A atriz Jessica Alba na saída do desfile da Kenzo
A atriz Jessica Alba na saída do desfile da Kenzo

Blog: O que você chegou a fazer de mais engraçado para conseguir obter fotos exclusivas e mais detalhes em tempo real dos desfiles?

Juliana Tozzi: Fiquei com minhas antenas ligadas full-time porque sabia que qualquer coisa além dos desfiles poderia virar pauta. Andava na rua com meu celular sempre preparado para fazer algum clique e postar de imediato no Instagram do Vírgula.

Mas logo no primeiro dia aconteceram coisas interessantes. Além dos desfiles, fui conferir a apresentação da coleção do estilista brasileiro Pedro Lourenço num hotel localizado na Rue Faubourg Saint-Honoré, na região de Saint-German, quando me deparei com as vitrines incríveis e divertidas de lojas de marcas de luxo como Yves Saint Laurent, Prada, Chanel e Louis Vuitton.Vi ali uma oportunidade de matéria, claro! Fiz a louca e fui tirando foto de todas as vitrines que via pela frente. Acho que atrapalhei a vida (e as compras) de algumas pessoas que tentavam passar nas estreitas calçadas dessa rua. Senti isso pelos olhares atravessados e por alguns resmungos que escutei. Mas valeu a pena! 🙂

"Vitrines das grifes de luxo: Bottega Veneta"
“Vitrines das grifes de luxo: Bottega Veneta”

No mesmo dia, e nessa mesma rua, vi um burburinho em frente ao hotel Mandarin Orientale fui conferir. A especulação do pessoal na rua era a de que Rihanna iria sair ou entrar no local a qualquer momento.

Depois de 40 minutos de espera debaixo de uma garoa fina (e sem guarda-chuva)…Nada da cantora! Fuen, fuen, fuen! Mas depois acabei dando de cara com ela nos dias seguintes na entrada dos desfiles da Chanel e de Jean Paul Gaultier. 🙂

"Vitrines das grifes de luxo: Moschino"
“Vitrines das grifes de luxo: Moschino”

Blog: Como a cidade de Paris fica durante uma das semanas de moda mais importantes do mundo?

Juliana Tozzi: Durante a Paris Fashion Week a cidade fica ainda mais cheia e vibrante, mesmo sendo no fim do inverno, que foi a época em que fui. A cidade já é incrível, as pessoas são naturalmente elegantes, mas nesses dias de eventos a coisa se intensifica. Como os desfiles acontecem em vários locais de Paris, de jardins, museus até hoteis de luxo, acabamos esbarrando com modelos no metrô e nas baladas, editoras e jornalistas nas lojas grifadas ou em cafés e restaurantes. Outra coisa que reparei são os estudantes de moda ou pessoas ligadas ao ramo que vão para a cidade/país só por causa do evento, mesmo sem garantia alguma de que irão assistir algum desfile.

Blog: Qual o impacto desse fashion show na vida dos viajantes estudantes de moda?

Juliana Tozzi: Em cada café, restaurante ou lojinha que eu entrava tinha alguém falando alguma outra língua além do francês ou um inglês com sotaque carregado de algum outro país. Isso deve ser normal em Paris. Mas, cara de pau que sou, puxava assunto com todo mundo e me surpreendi ao saber que a maioria estava na cidade por causa da semana de moda porque era estudante, ou estilista emergente, ou era comprador, ou queria fazer contatos e curtir o que a cidade oferecia durante os dias do evento.

"A sempre montada Anna Dello Russo, editora-chefe da Vogue Japão"
“A sempre montada Anna Dello Russo, editora-chefe da Vogue Japão”

Num brechó punk que fui no bairro do Marais, por exemplo, encontrei dois alemães mega-ultra-blaster montados. Eles me contaram que eram uma dupla de novos designers e estavam em Paris para acompanhar o burburinho da fashion week e fazer contatos com jornalistas para divulgar o trabalho deles. No mesmo bairro, mas numa loja de chocolates, encontrei um grupo de oito estudantes de moda britânicas que estavam muito empolgadas com o evento, mesmo não tendo convite para nenhum desfile. Elas me disseram que além de ver toda a fauna fashion pelas ruas, era inspirador poder ir aos museus (que durante a SMP têm exposições voltadas para a moda) e poder conhecer um pouco mais sobre as pessoas, bairros e toda a história da cidade, que é um dos berços da moda mundial. Elas contaram também que, depois que se graduar, têm a pretensão de fazer cursos de aperfeiçoamento na Cidade Luz.

Blog: Qual a melhor região da Cidade Luz para se hospedar e circular durante a semana?

Juliana Tozzi: A malha de transporte público (seja metrô, ônibus ou bike) de Paris é fantástica e você pode chegar a qualquer ponto da cidade facilmente. Sem contar que dá para fazer várias coisas e ir a vários lugares a pé mesmo. E, para quem gosta de andar de salto: as calçadas são ótimas. Pode ir sem medo!  Mas, se a pessoa quer ficar no meio do burburinho fashionista é melhor que se hospede na região de Saint-German. É um ótimo lugar que une a história da cidade de Paris com bons cafés, restaurantes, livrarias, cinemas, lojas das principais grifes, etc. E, na época de fashion week, é onde a coisa se intensifica ainda mais.

"O fotógrafo americano Bill Cunningham, firme e forte e sagaz nos cliques de streetstyle aos 84 anos, e a jornalista e crítica de moda britânica Suzy Menkes e seu indefectível topete"
“O fotógrafo americano Bill Cunningham, firme e forte e sagaz nos cliques de streetstyle aos 84 anos, e a jornalista e crítica de moda britânica Suzy Menkes e seu indefectível topete”

Blog: Quais são as festas pra trocar figurinha com os principais designers e estilistas?

Juliana Tozzi: As festas oferecidas pelas marcas que desfilam são privadas e muito disputadas. Somente convidados top top entram. Então, a menos que você seja selecionado ou tenha contatos muito bons na cidade, sua entrada não será permitida. Mas há outras festas no período, como as de marcas de bebida ou de revistas de moda, como a que rolou da November Issue no Silencio Club, do cineasta David Lynch.

Essas festas têm lista de convidados também, mas é mais fácil entrar. É tipo aquela cena clássica de filme que as pessoas se espremem na fila ( à la Studio 54) e o hostess deixa entrar quem ele conhece ou acha que está bem vestido, é cool, etc. (Conselho: mesmo que você não tenha convite, vá bem vestido e use uma “peça de efeito” se quiser ser notado pelo hostess hehe). Além do povo baladeiro, vi blogueiros gringos famosos, pessoas da cena artística local, turistas hipsters e fashionistas todos juntos, misturados e se divertindo muito.

No período também rolaram shows de bandas do momento, como o das irmãs Haim(que se apresentaram num dia no Le Trianon e, no outro, estavam na fila A do desfile da Chloé) e do Little Dragon, no La Maroquinerie. Ou seja, basta sair na noite parisiense durante a SMP para conhecer gente legal.

"A fotógrafa, ilustradora e blogueira francesa Garance Doré"
“A fotógrafa, ilustradora e blogueira francesa Garance Doré”

Blog: E as modelos, por onde elas circulam de noite? Elas são todas blasé como parecem?

Juliana Tozzi: Há modelos e modelos. 🙂 As do “primeiro escalão”, como Cara Delevingne e cia. frequentam os lugares e as festas mais hypadas. Mas há as outras modelos, as new faces em início de carreira, que também participam para dar “volume” aos desfiles. Estas, como disse numa resposta acima, você encontra andando na rua, no metrô. Nem todas são blasé não, mas sempre estão com pressa, pois estão correndo para um casting, prova de roupa ou evento.

Blog: Cite 5 itens, como roupas ou acessórios, que não podem faltar na mala ideal para encarar o frio da capital parisiense.

Juliana Tozzi: 1)  Um bom, belo e chamativo casaco: levei alguns casacos, mas ainda achei que estava passando frio. Foi quando me apaixonei por um casaco de pele sintético bem ao estilo gorila (é o que uso na primeira foto). Eu já saí do brechó usando a peça e me achando. 🙂

2) Um bom par de sapatos ou de botas: as ruas e as calçadas são muito boas para nós mulheres andarmos de salto. Mas, aconselho que faça isso usando um sapato fechado ou botas, pois é mais confortável, dá mais estabilidade, aquece os pés e ainda os protege de alguma eventual chuvinha.

3) Um longo e recheado cachecol/echarpe de lã: olha, cachecol tá longe de ser enfeite supérfluo no inverno parisiense: vai precisar dele dia e noite. É peça de sobrevivência, pois o ventinho gelado é do mal. Hehehe, então, para não ficar doente logo no primeiro dia, invista numa boa peça, de preferência de lã natural. Para não encher demais a mala, escolha dois: um em tom neutro (preto, cinza ou tom terroso) e outro de alguma cor vibrante para dar um up no look.

4) Invista no esquema “cebola”: na rua é frio, mas a maioria dos lugares ( se não todos) têm esquema de aquecimento. Então, use peças de modo que crie camadas de roupas: cachecol, casaco sobre cardigã, sobre blusa de manga longa sobre camiseta de manga curta + calça ou meia calça. Assim, quando esquentar você vai tirar algumas dessas peças e pode ser feliz sem se sufocar de calor e, quando for sair dos lugares, veste tudo novamente. 🙂

5) Leve alguma peça de grande efeito: essa dica é para quem vai para Paris durante a fashion week: leve uma ou duas peças muito lindas, diferentes ou que chamem atenção. Se o pessoal da moda já gosta de reparar na roupa alheia, imagina em Paris! Então, vale a pena investir um tempinho escolhendo com carinho cada peça que você vai colocar na mala. Mas leve peças que você se sinta bem vestindo. Só. Por favor, não leve roupa demais. Certamente você não vai ter tempo de usar tudo e ainda vai ficar malhando braço ao arrastar a barragem.

"Eu e dois novos designers alemães que encontrei no brechó punk no Marais"
“Eu e dois novos designers alemães que encontrei no brechó punk no Marais”

Blog: Quais foram os melhores desfiles que você viu? Por quê?

Juliana Tozzi: Chanel é um espetáculo megalomaníaco, com cenário grandioso e milhares de convidados. Sem contar que é a lenda. Admiro como eles conseguem modernizar a tradição a cada desfile, seja por meio de novos materiais, modelos ou modos de apresentação. Há frescor, perfeccionismo e ironia sempre.

"Alguns dos parisienses estilosos que encontrei pelo caminho"
“Alguns dos parisienses estilosos que encontrei pelo caminho”

Blog: Quais as principais tendências apresentadas em Paris que você tem visto se concretizar pelo mundo?

Juliana Tozzi: Modelagem mais larguinha: grifes como Chanel, Stella McCartney e Balenciaga apresentaram nas passarelas da SMP peças com modelagem mais larga e confortável, que parecem ser alguns números acima e que prometem te deixar a vontade, além de nos deixar bem aquecidas.

Franjas: elas apareceramem materiais como couro e camurça nos desfiles de marcas como Valentino e Lanvin e em sapatos, como os do estilista brasileiro Alexandre Birman, que também se apresentou em Paris.

Comprimentos curtos: apostando mais na feminilidade, estilistas como Louis Vuitton, Dior e Valentino estão entre os que apostaram nas pernas de fora. Para se manter aquecida nos dias em que o inverno for mais intenso, a meia-calça está aí para te ajudar!

Esporte chique: leggings e tênis. Muitos desfiles da SMP voltaram seu foco para o esporte: Stella McCartney e Chanel apostaram nas calças leggings, combinadas com um agasalho mais larguinho, como já falamos acima. Algumas delas, inclusive, eram do modelo fuseau (aquele que tem uma tirinha que você prende no peito do pé, que era super popular nos anos 90, lembra?). Tá aí a chance de reviver esse tempo sem culpa, então! Ainda nos sapatos, os saltos parecem estar dando um tempo nessa estação e abrindo espaço para os confortáveis tênis. Pelo menos foi isso o que apontaram essas duas grifes. Eles aparecem baixos ou aliados a uma plataforma. Então, tire os seus do armário e aproveite todo o conforto que essa estação está te proporcionando.

"Mais um parisiense anônimo estiloso"
“Mais um parisiense anônimo estiloso”

*   *   *

Agora que você está sabendo de quase tudo sobre o clima e as experiências da semana de moda de Paris, que tal pensar na sua visita? Uma combinação perfeita é o curso de francês, mas também pode ser o pacote de Paris dedicado especialmente ao evento fashion.

CI Intercâmbio e Viagem

CI Intercâmbio e Viagem

A CI Intercâmbio e Viagem produz o blog Caia no Mundo e é a maior empresa de intercâmbio e turismo jovem do Brasil. Mais de meio milhão de pessoas já embarcaram com a CI para conhecer o mundo em viagens que unem estudo, trabalho e lazer.

Saiba mais em ci.com.br

Receba Nossa Newsletter

Cadastre-se e fique por dentro de todas as novidades e promoções da CI.

Your Header Sidebar area is currently empty. Hurry up and add some widgets.